Araildes e sua luta para manter a Creche Comunitária Carmen Mirim

por

Há 17 anos, Araildes Ferreira tomou uma decisão que mudou toda a sua vida: fundar, com mais três amigas (Vera, Ana e Rosângela), uma creche no bairro do Jardim Limoeiro. A vontade surgiu depois que elas, ao participarem de ações beneficentes como a distribuição de sopas, perceberam a grande quantidade de crianças que iam acompanhadas dos pais buscar aquela que, muitas vezes, era a única refeição do dia.

Com muita vontade e amor pelo próximo, a Creche Comuntária Carmen Mirim começou a funcionar em um sítio na rua principal do bairro. O local foi emprestado pelo dono sob a condição de darem as refeições ao caseiro e pagarem os custos com a água. Depois de alguns anos, porém, ele requisitou o espaço de volta e a única saída encontrada por Araildes foi levar as crianças para a sua casa. “O que eu poderia fazer? Não podíamos abandonar nossos meninos”, lembra.

Com muito sacrifício, a creche conquistou um novo espaço, mais amplo, onde funciona até os dias de hoje, atendendo cerca de 120 crianças de 0 a 5 anos de idade. Mas, como nada tem sido fácil até aqui, a creche atravessa atualmente um momento muito delicado. Sem convênio com a Prefeitura Municipal de Camaçari, está difícil manter as 19 monitoras que trabalham no local. “Se não tivermos como pagá-las, vai ser muito difícil manter a creche funcionando”, explica Araildes.

A mensalidade de R$ 80 nem sempre é paga em dia pelos pais, e, ainda que fosse, o valor não é suficiente para cobrir as despesas. Embora não faltem alimentos, pois algumas empresas colaboram com doações, muitas vezes falta o gás para cozinhar. “Da última vez que acabou, recorri aos amigos de um Centro Espírita, que nos ajudaram e só então pudemos cozinhar as refeições”, revela. Recentemente, ela abriu uma conta para que outras pessoas também possam contribuir com a creche:

Banco Itaú
AG: 8944a
CC: 33586-1
CNPJ: 5146726/0001-50

Endereço da Creche: Estrada 22, sítio Nossa Senhora de Fátima, Jardim Limoeiro

Sem perder a esperança, Araildes segue lutando para manter a creche com as portas abertas à comunidade. Moradora da localidade há 29 anos, mãe de dois filhos biológicos e de centenas de filhos do coração, ela espera conseguir doações suficientes para manter a creche funcionando. “Esse sonho não pode acabar. Se fecharmos, onde ficarão essas crianças enquanto seus pais e mães buscam o pão de cada dia? Nas ruas? Expostas à violência e ao desamor que assolam nossa cidade?”, questiona. E é na força dessa mulher guerreira, que os moradores do bairro Jardim Limoeiro se apegam para continuarem acreditando que dias melhores virão para a Creche Comunitária Carmen Mirim.

Esse texto foi escrito por Claudia Magnólia. Se gostou, diga: tá legal, tá bacana. Se não gostou, diga: melhore, Magnólia! Mas não deixe de expressar a sua opinião 😉

E-mail: claudiamagnolia@camacarimulher.com.br

Comentários

comments

Leia Também