Camaçarienses provam que lugar de mulher é onde ela quiser!

O número de mulheres cresceu em praticamente todas as funções

por

Já percebeu como o número de mulheres cresceu em praticamente todos os ambientes corporativos? Essa conquista se deu por vários motivos: proatividade feminina, visão empresarial, luta pela independência financeira, dentre outros.

Desta forma, fica fácil entender porque as mulheres estão dominando cada vez  mais o mercado de trabalho. E para mostrar isso na prática, o Camaçari Mulher foi conhecer um pouco da rotina de quatro representantes do sexo feminino que tem orgulho de mostrar que “lugar de mulher é onde ela quiser!”.

Margarete-motorista-camaçari-mulher-profissões
Margarete é Motorista

Se deparar com uma mulher dirigindo um ônibus, não é muito comum, mas existe. Espanto que Margarete Testi, de 51 anos, já se acostumou e lida com muita naturalidade. Dirigindo profissionalmente este tipo de veículo há mais de 15 anos, ela conta que o início foi bem complicado, pois na época, quase não existiam mulheres conduzindo veículos tão grandes.

“Comecei a dirigir em São Paulo, aos 18 anos, com meu pai, mas não pensava em seguir a profissão de motorista. Depois me casei e vim para a Bahia onde passei quase 20 anos longe dos volantes. Porém, os problemas financeiros começaram a aparecer, e como meu marido já tinha um caminhão, comecei a ajudar nas despesas da casa fazendo frete. Daí por diante,  comecei a dirigir diversos tipos de caminhão, até receber o convite para dirigir em uma linha de ônibus aqui em Camaçari. Gostei tanto que estou até hoje”, conta.

Mara-vigilante-profissão-camaçari-mulher
Maria José é Vigilante

Outra área onde também é possível ver a forte presença do público feminino na cidade é a de vigilância patrimonial. Atuando há mais de seis anos como vigilante, Maria José Martins, de 38 anos, fala que ama o que faz e se sente bem em zelar pela segurança dos outros.

“Na época, foi uma oportunidade e aceitei por necessidade, mas depois gostei tanto que não me vejo fazendo outra coisa. A parte mais difícil é, ainda, ter que lidar com o machismo por parte de colegas e subordinados que, muitas vezes, não aceitam receber ordens de uma mulher”, revela.

Lucivânia é Técnica de Segurança do TRabalho
Lucivânia é Técnica em Segurança do Trabalho

Na cidade industrial também não poderia faltar a presença feminina nas grandes indústrias. É o caso da técnica de  segurança do trabalho,  Lucivânia Carvalho, de 26 anos. Atuando nesta área desde 2010, ela afirma que cuidar da integridade física do trabalhador é uma verdadeira paixão.

“Orientar e conscientizar alguém sobre os riscos de seu trabalho e quais as medidas necessárias para segurança, é fundamental. Não há sensação melhor do que chegar ao final de um dia sem acidentes ou incêndios”, frisa.

Acostumada a lidar com o machismo e preconceito diariamente, Lucivânia revela que o segredo é não se deixar intimidar e manter o pulso firme, fazendo bom uso da autoridade que lhe cabe.

Jaqueline Barros Camaçari
Jaqueline é Bombeira Civil

A bombeira civil, Jaqueline Barros, 31, integra a Equipe de Bombeiros Motta, de Simões Filho, há quase três anos. Jaque, como costuma ser chamada pelos colegas de trabalho, conta que ingressou, primeiramente, na área administrativa de uma base de bombeiros em Camaçari, porém, por curiosidade, acabou desempenhando atividades operacionais com as quais se identificou e resolveu seguir a carreira. Hoje, ela realiza serviços particulares e voluntários, como primeiros socorros e resgates de vítimas, além de ministrar palestras.

“Apesar das críticas pelo simples fato de ser mulher, tenho orgulho do que sou. Fico emocionada cada vez que me vejo fardada. Ver a alegria do meu filho ao dizer que a mamãe é bombeira, me dá ainda mais forças”.

cmulhermenor

Esse texto foi escrito por Joice Santos. Se gostou, diga: tá legal, tá bacana e compartilhe com seus amigos. Se não gostou, diga: melhore, Joice! mas não deixe de compartilhar com seu amigos 😉

E-mail: joicesantos@camacarimulher.com.br

Comentários

comments

Leia Também