Diálogos Internos: Equilíbrio no Viver Agora ou Amanhã?!

Doar-se a apenas uma fatia da sua vida é correr o risco de não usufruir das outras

por

Trabalhar, estudar, investir tempo, dinheiro e energia para ganhar a tal tranquilidade da estabilidade financeira, ter o reconhecimento e por fim o que chamamos de topo, de top, do ápice, de Sucesso! Ufa! Uma caminhada exaustiva, emocionante também. Sim, muitos desafios, superações, aprendizados, quedas, reviravoltas, confusões, clarezas e desencontros…tudo isso pode nos roubar a motivação a ponto de não comemorarmos o recebimento do “troféu”. Isso porque nos doamos tanto ao conquistar, que por muitas vezes esquecemos de viver o presente, usufruindo da dádiva de estar vivo agora.

 

Nossos olhos vibram com a perspectiva de um futuro promissor a tal ponto que este desejo muitas vezes é o que nos move. E quando isso acontece, a expressão antes radiante, entusiasta, de alguém determinado e focado, torna-se sombreada como o céu prestes a chover. E é aqui, nesse ponto, que verificamos se fizemos realmente o “dever de casa”, isto é, se nossa evolução material, se a paixão que lhe dedicamos foi idêntica à investida nas demais áreas de nossa vida. Estamos preparados, equilibrados, harmonizados para a colheita dos frutos? Estamos prontos para continuarmos em nosso caminhar? Consideramo-nos satisfeitos com o que temos e recompensados pelo nosso investimento? Temos a maturidade e equilíbrio emocional para vivermos o agora sabiamente e plantarmos o amanhã?

 

Eis um momento de reflexão que requer uma análise do caminho percorrido e uma boa dose de realidade de como será o processo de evolução.
Cuidado, planejamento, organização, equilíbrio e clareza de propósito são imprescindíveis. Quanto estou disposta a pagar para atingir tal objetivo? O que perco quando ganho? Sim, às vezes nos prendemos a “dor prazerosa” (por exemplo: se eu entrar na dieta, teoricamente só ganho…bem estar, menor peso. Mas também perco o prazer de degustar algumas guloseimas sem limites). Quando avaliamos as possíveis perdas durante o trajeto (porque a vida é uma passagem) antecipamos as ações para minimizar os riscos e aproveitar melhor as oportunidades.

 

O ponto de partida é a identificação de “como estou? ” Quais áreas de minha vida podem influenciar positivamente as demais? Qual o ponto que precisa ser desenvolvido com mais urgência? Se eu não fizer nada quais as consequências? Que tal apostar no tratamento equilibrado das partes: Corpo – Mente – Espírito – Profissional – Material? Afinal de contas, somos seres integrados.
Não basta apenas a sobrevivência, “nem só de pão vive o homem”. De que mais temos fome? Amor, relacionamentos, diversão, espiritualidade, disposição, saúde…entre tantas outras necessidades. Trabalhe por todas elas; doar-se por inteiro a apenas uma fatia da sua vida é correr o risco de não usufruir das outras, é carregar demasiadamente expectativas num único lugar.

 

Enquanto esta área der bons frutos você se sentirá pleno, quando não houver, a sensação de perda será maior, a sensação de ter perdido tudo. Porque não restou mais nada. Quando você equilibra, o que supostamente “restou” lhe confortará e dará impulso para sua recriação. Pense nisso!

 

Especialista em Desenvolvimento Humano, idealizadora do projeto amanheSER, colunista do Camaçari Mulher, Coach de Liderança Pessoal voltado para Mulheres que buscam ampliar a visão sobre si mesma, fortalecer sua autoestima e autoconfiança para alcançar seus objetivos com qualidade de vida.

Comentários

comments

Leia Também