Eternos namorados: juntos há 60 anos, Francisca e Orlando comemoram Bodas de Diamante

Eles são a prova viva de que o amor, assim como um diamante, precisa ser lapidado

por

Poderia ter sido apenas mais uma missa dentre as muitas das quais ela já estava habituada a participar, mas aquela do dia 28 de outubro de 1955, dia de São Judas Tadeu, teve uma benção mais que especial. Sem duvidar de que o Santo das Causas Difíceis colaborou para o encontro, dona Francisca recorda, como se fosse hoje, o dia em que seus olhos verdes mergulharam na simpática morenice de Seu Orlando. Era como se ela estivesse esperado por ele a vida inteira e quando o viu, seu coração começou a cantarolar “Eu sei que vou te amar, por toda a minha vida eu vou te amar, eu sei que vou te amar…”, tanto que logo no dia seguinte, começaram a namorar.

Apesar de uma certa resistência inicial por parte da família dela devido às diferenças de cor e idade entre eles, nenhuma barreira foi suficiente para detê-los. E era tudo tão verdadeiro, tão intenso, tão forte, tão certo, que sete meses depois eles já estavam casados.

“Naquele tempo era comum o casamento entre adolescentes e homens mais velhos, porém, ainda sim, como era uma cidade pequena e foi tudo muito rápido, com certeza algumas pessoas devem ter comentado que eu estava casando logo por que devia estar grávida”, conta.

WhatsApp-Image-20160607 (5)Era 31 de maio de 1956, faltavam ainda alguns dias para ela completar 15 anos e ele já estava com 28 quando os sinos da igreja Matriz de São Boa Ventura, em Canavieiras-BA, ecoavam o amor. Não por acaso, o mesmo lugar em que se olharam pela primeira vez, foi o local escolhido para o casamento. Três meses depois, seguindo a linha da intensidade, marca registrada do casal, eles já estavam esperando o primeiro filho.

Devota fiel de Nossa Senhora Aparecida, e extremamente ligada à religião, dona Francisca acredita e faz questão de dizer que tudo em sua vida foi planejado por Deus. E quando olha para trás, o sentimento que transborda em seu coração é o de gratidão, a Deus e a todos os santos que movem a sua fé, por terem conduzido cada passo dessa história tão linda e inspiradora. Dentre todas as lembranças que possuem, sem sombra de dúvidas, a chegada de cada filho, dos netos e bisnetos, tanto os biológicos quanto os adotivos, são os momentos que ela mais gosta de lembrar.

E qual seria o segredo para uma relação durar tanto tempo, com a mesma intensidade, o mesmo brilho, amor, carinho e romantismo do início de tudo? Dona Francisca não titubeia e garante: “Para conviver com a mesma pessoa durante tanto tempo, é preciso muita entrega, renúncia, compreensão, diálogo, e o principal: amor verdadeiro. Além disso, brigar também é necessário, pois a parte boa é fazer as pazes (risos)”.

Imagem4

Juntos há 60 anos, Dona Francisca, 74, e Seu Orlando, 88, acabaram de comemorar Bodas de Diamante. Nessas seis décadas de união, eles formaram uma linda e grande família – 10 filhos, 14 netos e oito bisnetos, que estão sempre por perto, afinal, moram todos em Jauá, pertinho da casa do casal. Por isso, no último 04 de junho, cercados de familiares e amigos, com uma linda festa, eles celebraram essa data tão especial. Para celebrar esse momento da relação o casal também fez um ensaio fotográfico super romântico e inspirador que pode ser conferido clicando aqui.

família
Filhos, netos e bisnetos estão sempre por perto fazendo a alegria deste casal

Em dias como os atuais, onde as relações, em todos os aspectos, têm sido tão banalizadas, eles são a prova viva de que o amor, assim como um diamante, precisa ser lapidado. Não é à toa que a pedra mais preciosa foi escolhida para representar a durabilidade e o auge da estabilidade na vida de um casal. O diamante simboliza a verdade, a pureza, a perfeição, a dureza, a maturidade, a imortalidade, a limpeza, a fidelidade, a energia, o sol.

E quando o assunto é o seu diamante, ou melhor o “seu” Orlando, dona Francisca não segura a emoção. “Sempre tive em Orlando tudo o que precisava, um marido, um pai, um irmão, um companheiro para a vida toda. Ele sempre me apoiou em todas as decisões, sempre esteve comigo. Com ele, nunca me sinto só. Por isso, a única coisa de que tenho medo, é de perdê-lo. Valeu a pena tudo o que vivemos até aqui”. 

Imagem1

E assim, dias após dia, ano após ano, eles vão seguindo a vida, sem fazer muitos planos, vivendo o presente, orgulhosos de todas as conquistas alcançadas, assistindo TV e ouvindo música juntinhos, sempre de mãos dadas, sempre apaixonados, por toda a vida…

capa-2
Foto: Fernanda Maia

cmulhermenor

Esse texto foi escrito por Elba Coelho. Se gostou, diga: tá legal, tá bacana. Se não gostou, diga: melhore, Elba!

E-mail: elbacoelho@camacarimulher.com.br

Comentários

comments

Leia Também