Mudar é preciso…

por

Você passa quatro, cinco anos dentro de uma faculdade, dias e dias cambaleando de sono no dia seguinte após varar a madrugada para estudar e conquistar aquele diploma tão sonhado. Sobe e desce de um buzú cheio de gente tagarela que não te deixa dormir alguns minutinhos até chegar em casa ou na facul, isso quando não está aproveitando o percurso para dar uma reforçada “naquela” matéria, e depois que chega no final dessa grande maratona, pimba!!! Tudo o que você quer é encontrar aquele emprego dos sonhos, doidinha para colocar em prática tudo aquilo que aprendeu. Pena que nem sempre é assim, principalmente em tempos de crise, como os que estamos vivendo…

Colocar o diploma, esse “troféu” que você tanto ralou para conquistar, dentro de uma gaveta, junto com os grandes sonhos que você tinha para ele (inclusive aquele de ficar rrriiicaaa!!!!) não é uma tarefa nada fácil, porém, muitas vezes necessária. E o que fazer? Arregaçar as mangas né colega, respirar fundo, olhar ao seu redor e se reinventar, porque não? Afinal “a vida é trem bala”, “o tempo ruge e a Sapucaí é grande”, e “nada muda se você não mudar”. Sem falar que mulher nunca é uma coisa só, a gente sempre tem uma ‘carta na manga’, uma aptidão que não consta na grade universitária, ou seja, o bom e velho jogo de cintura que te impede de deixar a peteca cair.

O que parece ser algo devastador, pode ser encarado como uma oportunidade de se redescobrir, e muitos são os caminhos que você pode escolher. O que não pode é cruzar os braços e se deixar abater. Se você tem tino para negócios a palavra-chave é “empreendedorismo”, ou seja, disposição/capacidade de identificar problemas e oportunidades e investir nos recursos necessários para criar o seu próprio negócio realizando a mudança necessária para conquistar objetivos positivos. Olhe para dentro de si mesma, pode ser que exista uma cabeleireira, cozinheira, decoradora, cuidadora, professora, e muitos outros “eiras” e “oras” aí dentro. Se este não é o seu caso, pense naquilo que poderia ser seu plano B, como por exemplo, explorar outras vertentes dentro da sua própria profissão. Se gostar de escrever, experimente criar um blog falando sobre um assunto que você domina, oferecer consultoria ou palestras sobre isso (tem muuuuuuita blogueira ganhando fortunas por aí, quem sabe a próxima não é você?). Se você é comunicativa e gosta de lidar com o público, pode experimentar ser revendedora ou consultora de alguma marca de cosméticos. Se sua área é saúde, pode passar a prestar seus serviços em residências. Se cozinhar também é o seu forte, pode oferecer brigadeiros, cupcakes, bolos, geladinhos, salgados (o cardápio é vasto).

Acredite: existem várias em você!

Pense em coisas inovadoras, pesquise sobre algo que ninguém fez ainda na sua rua, no seu bairro ou na sua cidade. Estude (tem muita coisa gratuita na net). Aperfeiçoe aquilo em que já é boa. E seja lá o que for, procure fazer bem feito, dê o seu toque especial, deixe a sua marca, faça com amor. Pode não ser aquilo que você aprendeu em sala de aula, pode não te dar um grande retorno financeiro imediato, mas pode dar um excelente novo rumo à sua vida e virar uma nova paixão.

Esse texto foi escrito por Elba Coelho. Se gostou, diga: tá legal, tá bacana. Se não gostou, diga: melhore, Elba! E-mail: elbacoelho@camacarimulher.com.br

Comentários

comments

Leia Também