Já pensou em ser fotógrafa? Conheça melhor essa profissão

Carreira tem atraído diversas mulheres em Camaçari

por

Fotografar é uma arte que encanta. Eternizar, em um só clique, as emoções de um evento que nunca irá se repetir, é, sobretudo, uma grande responsabilidade. Além de técnica apurada é preciso, também, um olhar sensível. Talvez por isso, cada vez mais, essa profissão venha atraindo as mulheres em Camaçari. Por aqui, as profissionais do ramo são cada vez mais requisitadas. Noivados, casamentos, batizados, aniversários, ensaios sensuais, acompanhamento infantil, Newborn, são diversos os momentos que as lentes registram, mas, o que está por trás de toda a magia que esta profissão demonstra ter?

Roberta-&-Nailton
Roberta e Nailton

“Perdida” no mundo das finanças, a ex-estudante de Ciências Contábeis que trabalhava no setor financeiro de uma multinacional de Camaçari, Roberta Samara conta que abraçar essa paixão não foi uma tarefa fácil. “Foi uma escolha entre a razão e a emoção, muito difícil, mais decidi escolher o que eu amava. Coloquei Deus na frente e graças a Ele está dando certo”, celebra. Roberta revela que sempre amou fotografar tudo o que via pela frente e com a ajuda e o estímulo do noivo, Nailton Sales, mergulhou de cabeça na profissão. “Hoje ele fotografa junto comigo e é um excelente fotógrafo também”, acrescenta. Mas quem pensa que para ser fotógrafa profissional basta ter uma câmera nas mãos e sair clicando por aí, está enganado. “É preciso amar o que faz e saber enxergar com o coração, mas a técnica também é extremamente necessária, tem que investir em cursos, estudos, e em equipamentos de qualidade”, pontua.

Especialista em registrar momentos de casais apaixonados, Roberta, junto com o parceiro, criou um site no qual apresenta o trabalho realizado pela dupla e revela que a profissão também serviu para uni-los ainda mais. “A foto do nosso perfil no site fala por nós, mostra quem somos e como é a nossa forma de trabalhar. Somos namorados, amigos, companheiros e noivos… As fotos que fazemos levam um pouco de nós, do nosso olhar. Contar histórias e eternizar momentos através da fotografia de forma espontânea e verdadeira é a nossa realização”, finaliza.

Roberta-&-Nailton-2
Fotos: Roberta & Nailton
Fernanda Maia (Foto: Michel Dória)

Outra que se deixou “enamorar” por essa arte foi a publicitária, e agora fotógrafa, Fernanda Maia. Ela relata que estudar é fundamental, principalmente para se manter neste mercado que cresce e se reinventa a cada dia. “Estudamos para conhecer nosso equipamento e aprender a usar a luz sempre ao nosso favor”, frisa. E como são inúmeras as vertentes que uma fotógrafa pode seguir tais como publicidade, pessoas, gastronomia, moda, arquitetura, fotojornalismo, natureza, esportes, dentre tantas outras, Fernanda aconselha que “basta definir com qual demanda mais se identifica, partir para pesquisas e, é claro, muita prática”.

Também com um passado profissional voltado para cargos administrativos, Maia revela que a paixão pela fotografia surgiu há cerca de três anos, quando, por curiosidade começou a estudar para entender o funcionamento do equipamento e a dinâmica dessa profissão. Foi aí que fez o seu primeiro curso de fotografia básica. No último ano ela montou seu próprio estúdio e hoje, trabalha, exclusivamente, com ensaios fotográficos, Newborn (ensaio de recém-nascidos) e espetáculos culturais. “Não há como não estar apaixonada. São os setores com os quais sempre me identifiquei e me vejo realizada”, comemora.

Fernanda Maia
Fotos: Fernanda Maia

As duas profissionais ressaltam que empreender na fotografia não é simples, mas com dedicação e estudo, o retorno financeiro acaba sendo um reflexo de todo o investimento necessário. Além disso, pode variar com a área que a fotógrafa escolhe ingressar. E quando se fala no material, é bom saber que para adquirir um kit básico, por exemplo, o investimento sai, em média, entre 4 e 5 mil reais.

Como toda profissão, esta área também possui seus altos e baixos. As fotógrafas revelam que as principais dificuldades encontradas vão da pouca valorização à profissão até os riscos de viver na estrada, saindo sem hora para voltar. Mas o bom é que tudo isso fica pequeno diante da alegria e satisfação em registrar os momentos especiais, conhecer as histórias de tanta gente, eternizar um sorriso, uma emoção, transformar sonhos em realidade. “Isso não tem preço!”, frisa Roberta. “É sensacional!”, garante Fernanda.

Esse texto foi escrito por Elba Coelho. Se gostou, diga: tá legal, tá bacana. Se não gostou, diga: melhore, Elba! E-mail: elbacoelho@camacarimulher.com.br

Comentários

comments

Leia Também