Quando nasce uma mãe: Relato de parto de Carolina Dantas

Para ela, o momento mais marcante foi olhar seu filho pela primeira vez

por
Ensaio grávida - com Carol Dantas, Lucas e Benício
Carolina Dantas à espera de Benício (Foto: Carol Garcia)

O final de um inverno quente, típico da Bahia, já anunciava a chegada da primavera, as flores se preparavam para desabrochar, já era possível sentir um bom perfume pelos ares de Coqueiro de Arembepe, nem sinal de chuva, mas no coração dela já era verão… a espera ansiosa pela chegada de Benício aquecia cada pedacinho da alma de Carolina Dantas, e no dia 12 de setembro de 2014, quando eles se viram pela primeira vez, foi como se todas as estações estivessem presentes, unidas naquele instante, contemplando e celebrando aquele milagre. Um misto de sensações tomou conta dessa mamãe e ela pôde sentir de tudo um pouco, e tudo ao mesmo tempo: o frio na barriga, o calor nas mãos ansiosas por, enfim, poder tocar a pele daquele pequeno ser, as lágrimas que caíam de seus olhos como leves folhas de uma árvore em uma tarde de outono, e o cheiro de amor que já exalava em cada cantinho daquele quarto de hospital, como se ele estivesse preenchido por inúmeras flores do campo…

Após sete anos de casamento, Carol e o marido Lucas chegaram a um momento da vida e da relação, em que decidiram planejar a gravidez. “Iniciamos as tentativas de forma consciente, atentos ao período fértil e cuidados com a saúde e alimentação, durante o ano de 2013”, relata. No dia 31 de dezembro, ela descobriu que estava grávida e a intuição de que 2014 seria um ano repleto de coisas novas, se confirmou.

“Passei a noite da virada celebrando uma verdadeira revolução na minha vida”

Daí por diante, foram meses de preparação. Carol sempre sonhou em trazer um filho ao mundo através do parto normal humanizado. Procurou por um médico que estimulasse esse tipo de parto, leu bastante sobre o assunto, continuou fazendo pilates, atividade que já praticava há alguns anos, e caminhadas leves, preparando o corpo e a mente para aquele momento. “Ler e conversar sobre o assunto me deixou ainda mais convicta das vantagens do parto normal, para a minha saúde e a do bebê. E me parecia óbvio que sem intervenção cirúrgica, fazendo o que o meu corpo nasceu para fazer, eu estaria bem mais segura. Além do mais, sempre fui uma pessoa ligada à natureza, me sinto imersa nela, parte dela, então parir, para mim, já era sentido como o ápice desta conexão”, revela.

Prestes a completar 40 semanas da gestação, Carol começou a passear pela praia em caminhadas brandas, todas as manhãs, para estimular o nascimento do bebê de maneira natural. Foi aí que no dia 11/09, após retornar de uma caminhada, ela sentiu os primeiros sinais. Entre as idas e vindas das contrações, ainda leves e bem espaçadas, no início da noite, a bolsa estourou. Durante as 20 horas em que esteve em trabalho de parto, ela foi acompanhada pelo obstetra e sua equipe, seu marido e uma doula.

Parto Normal de Carolina Dantas

Pouco tempo depois, Carol recebia em seus braços aquele pequeno ser de 49cm e 3,1kg. O momento foi de pura emoção. “A lembrança mais marcante deste dia, sem dúvidas, foi olhar pela primeira vez para ele, meu menino Benício, que saiu de mim e veio direto para o meu peito. Me senti tão poderosa, tão natureza, por ter conseguido parir. Até hoje me pego voltando em pensamentos àquele dia e isso me dá um encorajamento…”. Depois desse instante tudo o que ela não queria era ficar longe dele. Foram longas seis horas aguardando a sua chegada ao quarto. “É incrível como cada segundo que passamos longe após o parto, parece uma eternidade. A sensação é de que ele está sentindo falta de ficar no calorzinho da mamãe”.

Carol e Benicio

Quando perguntada sobre qual conselho daria a quem está aguardando a chegada do seu maior presente, Carol indica: “Informe-se sobre violência obstétrica e, no caso das gestantes que irão parir na rede pública, sobre todos os seus direitos (acompanhante durante o parto, dentre outros).
Esse momento é único e todo o cuidado para garantir uma chegada feliz deve ser tomado”, orienta. Por fim, ela também faz questão de dizer às futuras mamães:

“Confiem na sua capacidade de parir. Na força que têm, aí dentro, de trazer ao mundo, da melhor maneira possível, esse pequeno ser que vai fazer de você uma pessoa ainda mais forte e humana, que vai te revolucionar e transformar a sua vida para sempre”.

cmulhermenor

Esse texto foi escrito por Elba Coelho. Se gostou, diga: tá legal, tá bacana. Se não gostou, diga: melhore, Elba!

E-mail: elbacoelho@camacarimulher.com.br

Comentários

comments

Leia Também