Viajar sozinha é libertador!

por

Ainda me admiro com o espanto e o choque das pessoas ao ouvirem “eu viajei sozinha”.

Todo mundo gosta de viajar. Não conheço um ser vivente que diga o contrário. O que impede as pessoas de viajar, geralmente é o dinheiro, como também a falta de um bom planejamento, falta de tempo e às vezes uma boa companhia.

O que as pessoas não entendem é que nós somos a nossa melhor companhia. Óbvio que ter alguém é bom, dá pra dividir as despesas, dá para conversar o tempo todo, distrair, é um pouco mais seguro. Mas a questão aqui é sobre a mulher que viaja sozinha. Os maiores medos são a insegurança e não dominar outros idiomas. Há também o pavor de estar em sua própria companhia mais tempo que o normal, então farei observações sobre os pós e os contras de viajar sozinha.

No meio de tanta violência, a gente vive constantemente com medo. Com a mulher ainda é pior, porque tem o lance do assédio, da fragilidade, de ser menos forte que um homem. Mas isso não deve ser empecilho algum para sair por aí e desbravar o mundo. Ao viajar sozinha, você precisa ter consciência que vai andar por aí sem encontrar um rosto conhecido. Vai se sentir só, mesmo se estiver hospedada num hostel dividindo o quarto com mais seis pessoas. No restaurante não terá companhia para conversar enquanto almoça. Vai ter que falar com estranhos para perguntar onde ficam determinados lugares, vai se perder, vai se achar e vai fazer mímica quando não conseguir falar a língua nativa.

Para viajar sozinha, é necessário tomar algumas medidas de segurança, obter todas as informações sobre o destino, andar apenas por lugares iluminados e movimentados, só aceitar bebidas que foram preparadas totalmente diante de você, se comportar e se vestir de acordo com o local. Falo isso porque existem países que mulheres devem usar lenços na cabeça ou não podem usar blusas de alças ou mesmo roupas curtas. E tudo isso citado antes você também faz se estiver com companhia, mas sozinha o cuidado deve ser um pouco maior. Também é necessária uma atenção extra com dinheiro e documentos. Evitar andar com altas quantias em espécie e antes de viajar se munir de mapas, roteiros, endereços e telefones. Ter toda informação antes sobre o local a ser visitado é extremamente necessário para evitar todo e qualquer tipo de constrangimento ou imprevisto.

Uma coisa extremamente importante quando uma mulher viaja só é tirar 02 cópias de todos os documentos, passaporte, visto, cartões, roteiros, endereços e telefones. Deixe uma via sempre com você e outra na mala, além de um backup no celular, assim caso você seja roubada, tem uma cópia para fazer um BO. E pelos lugares que já andei posso afirmar que em nível de segurança, nada é muito diferente do que passamos aqui no Brasil. Aqui ao sairmos, temos que ter cuidado com a bolsa, com o celular, com a carteira, com o vidro do carro. Praticamente em qualquer lugar do mundo, o cuidado é basicamente o mesmo.

Outra dica, quase impossível para as mulheres é em relação às bagagens. Quanto menos, melhor. Se você estiver em BH e surgir uma oportunidade de ir para Ouro Preto? E se você quiser dormir lá? Imagina sair por aí arrastando um monte de malas. Agora imagine estar em Lisboa e surgir uma oportunidade de ir à Dubai? Como você faz com as malas? Uma mala pequena e uma mochila são suficientes. Aprenda a fazer boas escolhas de peças e repita roupas. A maioria dos hotéis e hosteis oferecem serviço de lavanderia. Seja prática e inteligente ao fazer boas escolhas para por na mala.

Passando a parte dos cuidados, não há nada que se compare a uma viagem sozinha, seja pela aventura de conhecer novos lugares e pessoas, seja para encontrar uma forma de se redescobrir. O fato é que viajar sozinha é tão bom que toda mulher deveria fazer ao menos uma vez na vida (e vai virar vício). Viajar sozinha te liberta. Você se sente mais forte, poderosa, feliz, imponente, mesmo se sua viagem for apenas para outra cidade. Depois que você viaja sozinha a sensação é que nada mais vai te prender ou te limitar, que vai realmente dominar o mundo.

Quando você viaja só. Não precisa ficar negociando com outras pessoas o tempo gasto em determinado lugar ou o roteiro a fazer. Você é dona do seu tempo, faz o que quer e bem entender. Vai onde quer, permanece o tempo que quer, muda o roteiro… o mundo se torna pequeno.

Você vai conhecer pessoas. Ou não vai conhecer ninguém, exceto por aqueles que você puxa uma conversa amena num ponto de ônibus ou numa fila. Vai andar só, conhecer pontos turísticos. Vai ter que aprender a gostar da sua própria companhia quando for a um café e vai descobrir que um bom livro acaba com qualquer sentimento de solidão. Viajar sozinha só tem uma desvantagem: as fotos quase sempre são selfies. Mas você sempre pode pedir para aquele turista que tem uma DSLR pendurada no pescoço tirar uma foto do seu celular, que vai garantir fotos bem enquadradas de boa qualidade.

Programe seu próximo roteiro e faça as malas. Vá só, mesmo que seja casada ou tenha namorado. Você é livre para fazer o que quer! Falo isso porque já ouvi muita piada e questionamentos por viajar só, do tipo: Seu marido deixa? Você vai sozinha sem o seu marido? Parece que mulher casada é propriedade, não tem vontade própria e é proibida de fazer qualquer coisa que não esteja em companhia do digníssimo. E se for solteira, especulam se é garota de programa. Ou seja, de uma forma ou de outra sempre existirá questionamentos e estes devem ser totalmente ignorados. O que deve prevalecer é a sua vontade apenas. Desfrute!

Por isso que você precisa ter a consciência que é livre para ir e vir, independente do seu estado civil. O melhor de tudo em viajar só é que você vai aprender a lidar com o medo, solidão, limitações e inseguranças. Ao se deparar sozinha você vai ter tempo de repensar sua vida, suas escolhas, seu trabalho, seus relacionamentos, sua vida. Você não vai poder contar com ninguém quando estiver num perrengue, então quando conseguir resolver sozinha seus problemas, vai ver o quanto é gratificante e como você é capaz de fazer muito mais coisas do que pensava. Isso é superação. Então, mãos à obra e vamos planejar o próximo destino!

Amante de gatos, boas músicas e excelentes companhias e batons vermelhos. Chata por natureza, aprecia sem esforço um bom livro, um vinho ou um filme. Casada e mãe de duas felinas; Neném e Phoebe, acredita que pode dominar o mundo quando usa um batom novo e mantém controlada a Drag que vive dentro dela.

Comentários

comments

Leia Também