Beleza

Adriana Gouveia dá dicas de tratamento contra Flacidez Abdominal

Ainda “ontem” eu era uma menina! Pele lisinha, firme, cheia “dos colágenos”, nada de acne, nem estrias ou celulite, muito menos flacidez. Daí vem a realidade, dá dois tapas na minha cara, grita: acorde amiga!!! E me mostra que a bendita gravidade, duas gestações, a infinita guerra com a balança, a idade, as maravilhosas gordices espalhadas nos quatro cantos do universo querendo me devorar, e a preguiça de praticar atividades físicas, me transformaram em uma trêmula gelatina ambulante, implorando para que o valente Chapolin Colorado apareça pra me defender!!!

Brincadeiras à parte, a gente sabe que a insatisfação com o corpo influencia diretamente na nossa autoestima, né? E inúmeros são os motivos que podem nos incomodar, mas eu acho, particularmente, que dentre tantos, a flacidez abdominal, vulgo barriguinha saliente, é um verdadeiro terror na vida de uma mulher. Após a primeira gestação, quando todas as minhas carnes pareciam desabar, tive uma enorme crise de identidade (quem nunca!). O que é que eu ia fazer com aquele monte de pelanca sobrando, minha gente??? Foi aí que tive um dos melhores encontros da minha vida. Me apresentaram a uma tal de Adriana Gouveia. Linda, loura, dona de umas pernas incríveis, uma cinturinha de pilão que me deixou ba-ban-do, e muito eficiente, ela fez em mim, aquilo que parecia impossível. Entre uma massagem modeladora e outra, uma corrente-russa daqui, outra dali, algumas sessões de eletrolipólise, uma manta “quentinha”, que me deixava igualzinha a um cuscuz, e otras cositas mas, percebi meu corpo me agradando outra vez.

No entanto, alguns anos depois, cá estou eu, de novo, sofrendo as conseqüências de uma nova gestação. Mas antes de entrar em parafuso, já sei a quem pedir socorro, mais uma vez. Atualmente à frente da clínica, Hadassa e esculpindo o corpo de inúmeras mulheres de Camaçari há mais de 15 anos, Drika, explica que a flacidez não é um privilégio das gordinhas e garante que bons hábitos alimentares associados à pratica de atividades físicas e tratamentos estéticos adequados, podem garantir que as nossas “carninhas extras” permaneçam em seu devido lugar.

“Amiga, a flacidez abdominal tem jeito sim. Mas precisa ser bem avaliada, principalmente em casos de pós-parto. Geralmente, aparelhos de eletroterapia, como a Corrente Russa ou Aussie, que causam o fortalecimento muscular, além de aparelhos de radiofrequência, carboxiterapia ou crioterapia, por exemplo, são estratégias utilizadas para acabar com a flacidez, e têm melhores resultados, obviamente, com a realização de atividade física e uma alimentação equilibrada. A utilização de cremes específicos, maior ingestão de água, manutenção do peso ideal, parar de fumar, evitar bebidas alcoólicas, também são maneiras de combater esse bicho-papão. Mas, é claro, a paciente precisa colaborar, ter disciplina e seguir o tratamento corretamente, para ficar livre, de vez”.

Milagres não existem né mores, mas antes de surtar ou “cair na faca”, vale a pena confiar nos avanços da estética, ficar atenta aos toques que a gente acabou de receber e dar uma passadinha na Hadassa para fazer uma avaliação e descobrir qual o tipo de tratamento mais indicado pra você. Tá esperando o quê?

Comentários

comments