Comportamento

Salma Reis conta tudo sobre o Desafio da Gratidão

Em meados do mês de julho, um paciente remarcou a consulta e a psicóloga, Salma Reis, ficou com um raro tempinho livre em seu consultório. Como nada é por acaso, ela lembrou de um projeto que queria colocar em prática há um tempo, ligou a câmera do celular e começou a gravar vídeos para aquela rede social que quase ninguém acessa hoje em dia (só que não!): Instagram! Nos Stories, perguntou se as pessoas topavam participar de um Desafio de 21 Dias de Gratidão.

A resposta positiva veio rapidamente e tomou proporções que nem ela mesma esperava. Centenas de pessoas, sobretudo mulheres, abraçaram a ideia e acompanharam diariamente os vídeos de Salma baseados no e-book “Desafio de 21 Dias de Gratidão” (Maria F La Riva). Diariamente, uma pergunta instigava os participantes, inclusive Salma, a refletirem sobre a própria vida, se desprenderem daquilo que não as permitia seguir em frente e encontrar, cotidianamente, motivos para agradecer.

Mas, afinal, qual a importância de fazer da Gratidão um exercício diário e genuíno? Salma Reis contou pra gente e deu detalhes desse Desafio transformador:

Porque é tão importante exercer a Gratidão?

Gratidão não é só uma palavra que está na moda, mas um sentimento sobre o qual a gente precisa refletir de maneira profunda e enraizada. É algo que, quando a gente sente de verdade, do fundo da alma, abre espaço para receber mais da vida. Existe uma frase muito bacana, infelizmente não sei o autor, que resume bem a gratidão para mim: “quanto mais a gente agradece, mais coisas boas acontecem”.

A questão é que muitas pessoas querem uma resposta da vida, querem muito realizar seus sonhos mas, muitas vezes, acabam indo pela direção errada, estão mais focadas no problema do que na solução. Acho que antes de querer adquirir algo, seja material ou emocional, precisamos ser gratos pelo que já temos. Até as coisas ruins que nos acontecem são boas porque geram aprendizado.

Qual foi o objetivo do Desafio?

Fazer com que as pessoas iniciassem ou aprofundassem um caminho de autoconhecimento, percebessem detalhes em si aos quais não prestavam atenção por estarem vivendo no piloto automático. Então, olhar para as coisas que a gente faz automaticamente, olhar para os incovenientes, para o que a gente ganha todo dia e até para aquilo que a gente perde ou já perdeu, é estar atento à grandeza e a beleza que é a nossa vida.

O que te motivou a realizar esse projeto?

Já faz um tempo que tenho vontade de compartilhar o que venho aprendendo nesse processo de autoconhecimento. Não só a minha profissão de psicóloga contribuiu para isso quanto a minha própria busca pessoal, por me descobrir quem eu sou, estou muito imbuída a compartilhar um pouco do que eu sei. Quanto mais a gente expande a consciência, menos a gente é dominado pelos processos automáticos e negativos do inconsciente, quanto mais a gente cresce em consciência, mais a gente dribla os padrões de crenças limitantes, destrutitvas. O que me motiva é isso, o desejo de que as pessoas se acolham, se transformem e se amem. É mais que um trabalho, é uma missão, um propósito, algo que eu faço de maneira genuína porque me faz muito feliz.

Houve algum desafio para você ao longo desses 21 dias?

Eu fiz o desafio junto com as pessoas, então foi desafiador para mim também. A cada dia, eu fazia as minhas próprias reflexões. Além disso, tinha o desafio de gravar um vídeo por dia e eu percebi que isso pode ser leve, pode ser fácil. Porque às vezes a gente se cobra muito que o vídeo seja perfeito, no melhor lugar, que tenha o melhor som, melhor imagem. E eu tinha muito essa preocupaçã quando gravava os vídeos para o meu canal do YouTube, queria que tudo ficasse muito certinho. Para esse projeto, eu não tive o trabalho de editar os vídeos, eu não me preocupei com isso e, mesmo tendo que incluir isso na minha rotina, com tudo o mais que já tenho que fazer todos os dias, foi fácil porque eu não cobrei de mim a perfeição, fiz isso de forma leve, e foi grandioso para mim. Me ajudou muito a criar mais coragem para realizar os meus objetivos com leveza. Sabe aquela frase: “feito é melhor do que perfeito”?! Sou grata ao Desafio por ter me proporcionado essa compreensão.

Deixe uma mensagem para as nossas leitoras!

Não deixem nunca de buscar a si mesmas.

 

O processo de autoconhecimento é algo fantástico, é algo lindo. Entrar em contato conosco sem fugir, sem medo das nossas dores, poder perceber a grandeza de tudo o que a gente viveu, poder honrar a nossa história, agradecer pela nossa história, entender que cada desafio, dificuldade ou tropeço teve um significado, uma importância para o nosso aprendizado, nosso crescimento, faz com que a gente possa agradecer e viver melhor. Percebam, agradecer não precisa ser algo grande, pode ser simples, estar nas coisas cotidianas… se você parar para agradecer um pouquinho pelo mínimo, você já abre uma energia grandiosa no seu coração e isso faz com que coisas melhores possam acontecer a cada dia. Então, nunca deixem de buscar, tentar, sonhar, mas antes de qualquer coisa, façam as pazes com vocês mesmas, com as suas histórias e redescubram o valor que vocês têm internamente, descubram quem são vocês de verdade, suas potencialidades. Acredito muito que cada um de nós tem algo de muito lindo e incrível dentro de si.

Comentários

comments