Moda

Turbantes dão charme ao visual

Eles podem ser lisos ou estampados, maleáveis ou enrijecidos, não importa, quem os usa, dificilmente passa despercebido em algum lugar. Os turbantes, que são símbolo de religiosidade e identidade negra, estão cada vez mais populares e vêm adornando com graça e autenticidade a cabeça da mulherada, inclusive em Camaçari.

As inúmeras formas de amarrar o acessório representam uma espécie de linguagem popular, podendo indicar a posição social, a tribo a que a pessoa pertence e, até mesmo, o seu humor naquele momento. O uso mais frequente do turbante se estende por toda a Ásia e África, mas as mulheres do ocidente também são adeptas do acessório.

Algumas camaçarienses, confessam que o turbante já faz parte da sua rotina como Arihanne Coelho, de 23 anos, moradora do Inocoop, que sempre aposta no acessório quando quer dar um “up” no visual. Para ela, a utilização da peça não deve seguir regras.”Cada uma tem que se sentir bem com o que está usando. Eu acho todos lindos, mas prefiro com estampas exóticas e bem coloridas”, revela.

Arihanne Coelho
Arihanne Coelho adora turbantes ( Foto: Arquivo Pessoal)

 

Prender todo o cabelo em um torso é a preferência de Iris Costa, 25, do Jardim Brasília. “Uso mais no estilo lenço para cobrir toda a cabeça. Acho charmoso e elegante”, conta.

Iris
Iris Costa prefere as amarrações que envolvem todo o cabelo (Foto: Joice Santos)

Para quem sente vontade de usar, mas ainda não encontrou o turbante ideal, Karina Souza, 35, proprietária do Ateliê Kaká da Flor, cujo carro-chefe é este acessório, dá algumas dicas essenciais. “Tricoline, popeline, tactel, malha, malha 100% algodão, são panos que ficam mais firmes e não precisam engomar”, explica. “Laços, laçarotes, nós, colchetes e presilhas, ajudam a enfeitar e deixar o turbante mais seguro na cabeça”, conclui.

Kaká
Karina Souza trabalha com turbantes para todos os gostos (Foto: Joice Santos)

cmulhermenor

Comentários

comments